Estamos, acima de tudo, confiantes neste ano que se inicia! As expectativas são grandes, pois 2016 foi um ano de muito plantio e em 2017 faremos a colheita. A previsão é de uma safra promissora decorrente do trabalho árduo e insistente de uma grande maioria, ao adaptar-se às condições escassas consequentes de um ano anêmico e fragilizado.

Em São Paulo existe um calendário rico para indústria de eventos e precisamos colocar o foco na inovação e criatividade. As verbas continuarão reduzidas e a busca por soluções eficientes também. Toda esta adaptação que enfrentamos em 2016, se transformou numa vasta ferramenta de diferenciais e gerou processos mais enxutos e dinâmicos, na qual o menos é sempre mais. É muito importante aproveitar o começo de ano para fixar nesta premissa.

Conciliado a oportunidades crescentes que estão continuamente surgindo, faremos de 2017 o ano da virada para nossa indústria. Até porque não podemos perder tempo, já que em 2018 será ano de Copa do Mundo e sabemos bem o impacto que este tipo de evento provoca em nossa área. Atividades deste porte costumam mexer com o mercado em vários aspectos.

Convém ressaltar também que estaremos empenhados neste ano, através das entidades designadas a parametrizar nosso mercado, na busca de soluções sobre regulamentação, certificação e principalmente sobre negociações éticas e saudáveis. Tudo isso com o objetivo maior de  trazer mais ponderação nas relações de contratação que, sem dúvidas,  está se tornando o nosso calcanhar de Aquiles.

Podemos ainda pegar uma carona nas propostas de reforma de governo no âmbito trabalhista e tributário, pois nosso esforço precisa ser intensificado para achar soluções assertivas. A verdade é que estamos dedicando um esforço em conjunto para sanar necessidades específicas do mercado de eventos e, principalmente, para nossa área de atuação: a cenografia.

Como presidente da ABRAFEC – Associação Brasileira de Fornecedores de Cenografia -, eu enxergo para 2017 uma série de divisores de água. O fazer juntos, o compartilhamento de ideias, menos individualismo, mais coletividade. Colaboração, proatividade e a vontade de fazer novo. Diferente. Essas são as bandeiras que apoiamos e levantamos.

O pactar destas diretrizes, atitudes e comportamentos somados aos esforços do labor que já estamos acostumados, com certeza, vão nos fortalecer para termos relações de negócios mais equilibradas. Isso sim vai permitir que possamos usufruir de um 2017 coerente, justo e digno para todos nós. O novo está apenas começando. Temos um ano inteiro pela frente para modelar e trabalhar. Então, meus amigos, mãos à obra. Vamos fazer juntos?

* Leila Malvezzi Bueno é diretora Comercial na empresa BUENO Arquitetura Cenográfica. Possui mais de 25 anos de atuação nas áreas do Marketing de varejo,  comunicação visual e cenografia para eventos corporativos.